Home / Fundador

Fundador

Nasceu no dia 09 de dezembro de 1968, na cidade do Norte de Minas Gerais, chamada Medina, no vale do Jequitinhonha. Cidade onde passou toda a sua infância e adolescência. Filho de Edmar Costa Oliveira e Rita Costa Araújo, que teve quatro filhos e o do meio o padre. Uma família católica praticante, unida e feliz.
Foi batizado no dia 25 de dezembro de 1968 na Matriz Santa Rita de Cássia e já ainda pequeno sua mãe e padrinhos levava para a Missa e para as reuniões de terços e círculos bíblicos nas casas. Durante as orações nas famílias: já preparava antes as suas preces em um pequeno papel para que ele pudesse participar e era bem atencioso com as coisas do Senhor. Preparado pela Catequista Dona Antônia da Conceição e no dia 07 de dezembro de 1980, festejos da Imaculada Conceição de Maria, doente e ainda fraco, sua mãe disse que não era para ir daquela forma, mas ele levantou da cama com muito entusiasmo, meio tonto, mas apenas com o desejo de ir para a Igreja fazer sua 1ª Comunhão porque para ele o único desejo era: “receber Jesus.” Dom Silvestre era o bispo dessa região, diocese de Araçuaí e ainda criança participava sempre das suas visitas pastorais.
Em 1982, com 14 anos de idade, mudou para Vitória ES, onde começou uma nova caminhada, se afastando um pouco da Igreja, vivendo a fase da adolescência e juventude um vazio, muitos encantos do mundo: moda, consumismo, festas, namoros, bebidas, indo na igreja nas datas comemorativas, buscando cartomantes, benzedeiras e outros deuses, mas o Nosso Senhor Jesus Cristo sempre protegendo dos perigos das drogas.

Retornando através do Grupo de Oração da Renovação Carismática Católica, na paróquia Santa Rita de Cássia, Praia do Canto, onde teve o seu reencontro com Jesus, “batizado no Espírito Santo” e disse: “agora encontrei a minha igreja”, retornando para as missas e nesse período encontrou com o padre Alfonso Pastore e através da sua homilia, sentiu-se o chamado a servir na Pastoral Carcerária, iniciando assim a sua missão de evangelização, participando também das missões da Paróquia São Pedro, Praia do Suá, principalmente da liturgia, das missas, dos jovens.

Iniciou a missão de formação da Paróquia Sagrada Família em Jardim Camburi com o padre Guido Ceoto, onde implantou o grupo de jovens, grupo de oração e outros.
Nos anos de 88 e 89 começa a sua caminhada Vocacional com encontros vocacionais promovidos pelas Irmãs Filhas do Coração de Maria, Ir. Herondina com sua espiritualidade inaciana e bem Mariana acompanha no seu discernimento. Fazendo no de 1989 a sua primeira experiência de vida comunitária no Centro Vocacional Pavoniano, Filhos de Maria Imaculada, onde morou quase um ano. Mas sai e começa uma caminhada diferente, não se interessando mais por essa caminhada rumo ao sacerdócio, aproveitando como cristão e engajado.
Nesse período com a missão de evangelização de casa em casa na Paróquia Sagrada Família e o trabalho com o Grupo de Oração. Deus coloca o chamado para uma fundação de uma nova comunidade com a palavra em seu coração: “Eu quero uma Comunidade, funda uma comunidade”, mas não sabendo o que era foi até o bispo com a Delicea Pastore ainda viva, falar com o Arcebispo Dom Silvestre e disse ao bispo: “Viemos para pedir a autorização do senhor para sermos comunidade e o Dom Silvestre disse: Eu não aprovo, porque aprovar é muito pouco e sim abençôo, vão e vivam e não se preocupe com muitas regras.” Deu todas as orientações e a partir daquele dia começou uma nova etapa com muitas bênçãos, desafios, acompanhada com a Cruz de Cristo, mas acreditando na promessa de Deus.

Novamente sentindo incomodando e parece que nada preenchia, faltava alguma coisa. Trabalhando e estudando a faculdade de Turismo, vê os jovens buscando o caminho das drogas, do álcool, dos prazeres e sente novamente o chamado em ser padre e fazer algo para ajudar os jovens. Mas ainda não estava convicto do chamado de Deus e em uma das suas orações diz para o Senhor: “Não quero mais ir porque os outros dizem que tem cara de padre, não quero ir por palavras tiradas na bíblia e que eu tinha que ver e sentir claramente o meu chamado.” Indo para o Carmelo de Nazaré, Deus falou através da missa, no canto de entrada era a música: “Para onde Irei? Para onde fugirei? E ficou pensando que era normal, mas durante a homilia do padre ele falou que não adiantava fugir, ir para outra cidade, porque se Deus te chama você vai responder ao chamado Dele. E Vandaike estava morando em outra cidade e aí toca-o profundamente como uma seta de fogo que entra em seu coração como confirmação veio uma voz que disse para ele: “Sou Eu, que estou te chamando, não temas”! Aí tudo mudou em sua vida…

X